op59980

  • Mensagens: 34
Citação de: Hawks
O JM noticiou ontem que a partir de 1 de Outubro todas as tarifas das classe económica da TAP serão elegíveis para atribuição de subsídio. Esta é uma alteração ao que estava em vigor, já que a tarifa PLUS não era elegível para subsídio.

Não foram as companhias aéreas (nem a TAP) quem definiu o tecto de EUR400 para atribuição de subsídio de mobilidade, este foi afixado pelo DL 134/2015 e portaria 260-C/2015.

O SRECT (Secretaria Regional de Economia, Turismo e Cultura da Madeira) parece querer 'vender' ideia que é culpa especificamente da TAP haver regulamentação (não feita pela mesma) a não atribuíção do subsídio de mobilidade quando o custo elegível para o mesmo era por ser igual ou superior a EUR400 (que incluia tarifas económicas sem restrições ou tarifa equivalente, cujas condições de aplicação tarifária permitam à data da viagem, cancelamento, reencaminhamento ou alteração de percurso, sem penalidades - tal como indicado no artigo 2 da portaria supra mencionada).

Parece que a TAP simplesmente alterou suas tarifas económicas para que sejam com restrições, logo elegíveis de subsídio (que antes não era aplicável a tarifas económicas existentes sem restrições).


A TAP não ganha nem perde dinheiro com os subsídios, mas sem dúvida que quem não fica a perder são os residentes na Madeira.
Cpts,
op59980

CS-TTK

  • Moderador
  • Mensagens: 1404
A TAP não ganha nem perde dinheiro com os subsídios, mas sem dúvida que quem não fica a perder são os residentes na Madeira.

A TAP, tal como as restantes companhias aéreas que operam ligações entre o arquipélago da madeira e o continente, beneficiam dos subsidíos de mobilidade pois sabem que vender uma tarifa a 87€ ou a 400€ vai custar o mesmo ao residente após reembolso do subsídio. Evidentemente que as companhias não cobram 400€ o ano todo, mas ainda assim a tarifa média pode ser inflaccionada sem custo real para o cliente (residente), maior retorno para as companhias e maior custo para o estado. Basta ver a diferença comparativamente ao subsídio nos moldes antigos (30€ de reembolso por segmento sempre que o valor do segmento sem as taxas fosse superior a 30€) e a  tarifa praticada nessa altura e agora.

É evidente que os residentes também beneficiam, estou de acordo. Mas as companhias aéreas também sabem jogar com as regras do jogo.

fredericolopes

  • Mensagens: 474
Ainda bem que ninguém se lembrou dos coitados que estão a trabalhar ou estudar no UK ou outras ilhas e precisam de subsídio para vir cá no Natal...a subsidio dependência deste país é assustador e só mostra porque estamos como estamos.

Hawks

  • Mensagens: 713
Ainda bem que ninguém se lembrou dos coitados que estão a trabalhar ou estudar no UK ou outras ilhas e precisam de subsídio para vir cá no Natal...a subsidio dependência deste país é assustador e só mostra porque estamos como estamos.

Os subsídios nos transportes são um mal necessário num país em que existem grandes assimetrias na forma como a população está distribuída e para assegurar o princípio da continuidade territorial consagrado na constituição portuguesa. O princípio da continuidade territorial serve para diminuir estas assimetrias em deslocações dentro do território nacional e não de fora para dentro do território.

As empresas do sector empresarial do estado (SEE) tem uma contribuição absurda para a dívida pública. REFER, CP, Metro de Lisboa, Metro do Porto, representam quase 20 mil milhões de dívida pública. Se todas as rotas, linhas, trajectos, estações, horários, etc, fossem rentáveis certamente que a dívida não atingia estes números estapafúrdios. Se se acabasse com a subsidiação pública (porque acaba por sê-lo) e se deixasse tudo à mercê das leis do mercado e da oferta e da procura, haveria regiões (leia-se pessoas) que iriam passar tempos muito complicados...

decio

  • Mensagens: 294
Ainda bem que ninguém se lembrou dos coitados que estão a trabalhar ou estudar no UK ou outras ilhas e precisam de subsídio para vir cá no Natal...a subsidio dependência deste país é assustador e só mostra porque estamos como estamos.

Tem outra sugestao para acabar com a insularidade e manter a continuidade territorial?

CS-TTK

  • Moderador
  • Mensagens: 1404
a subsidio dependência deste país é assustador e só mostra porque estamos como estamos.
Espanha também tem subsídio de mobilidade para as ilhas.
O que discorda do subsídio.. os montantes? Os critérios de atribuição?

CarlosM

  • Mensagens: 107
Também fiz simulação para meados de Outubro na TAP e com bagagem de porão ficou em 158,31€ (sem bagagem ficaria 128,31€).
Tudo depende das datas, horários e quantas pessoas já marcaram viagem para esse dia (mais um monte de variáveis que nos nem devemos saber quais são)... compete-nos a nós escolher o que se adequa melhor à nossa necessidade/disponibilidade.

-Pesquisa feita para ida dia 13 de Out. e regresso dia 20 do mesmo mês.

Pelo que tinha simulado antes da entrada em vigor destas novas tarifas, os preços baixaram substancialmente.
« Última modificação: 18 de Setembro 2016, 16:21:18 por CarlosM »


mcro

  • Mensagens: 10
Os Madeirenses estão realmente muito mal habituados ! É um escândalo. E o jovem do Porto que é colocado em Lisboa ou Faro. E o de Lisboa que é colocado em Coimbra ou Porto. E o de Trás dos Montes que é colocado no Litoral ?? recebem algum subsidio ?

Deviam acabar com isso tudo. Subsidio só para doentes quando não há tratamentos na Madeira, ou para apoiar estudantes quando entram em cursos que não há na Madeira? e mesmo assim só se pertencerem a agregados familiares sem bens em nome próprio.

Somos Madeirenses ... temos direito a tudo!! Já chega !

Fortunas e fortunas que se fazem na Madeira .... e lá andam a receber subsidio para virem às compras ao Colombo. Querem vir ao Continente paguem. Não Tem dinheiro, poupem e venham que é o que o continental faz para ir à Madeira.

Vivem num oásis à conta do continente. Não à povoação que não tenha piscinas à porta, campos de ténis, miradouros e luxos atrás de luxos e o desgraçado que vive nas grandes cidades continentais vive num tormento só para chegar ao trabalho. Na madeira abrem-se estradas para servir famílias e abrem-se túneis de 500 mihões ... para se visitar umas piscinas naturais e não se paga uma portagem.

No continente para se sair de uma cidade paga-se e paga-se ... os Lisboetas que vivem na margem sul que o digam.

Então não era melhor fazer um túnel em Lisboa para atravessar o Tejo e servir centenas de milhares de pessoas do que gastar dezenas de milhões para ir ver a paisagem ??
Caro Bremem pelas suas palavras denota-se uma certa revolta pelo Madeirense....nestes 14 anos que andou por cá em que lugares esteve a trabalhar para afirmar que é só piscinas e luxos??? Olhe eu não tenho piscina nem nenhum elemento da minha familia...assim como 90% da população....Luxo é pagar 620,62€ para uma viagem fx-lis-fx 2 pxs  de 30 Set a 02 Out na TAP e nessas mesmas datas pagar 264,56€ para ir a Paris ás compras...Ah e a distancia FX-Lis é de 973 Km e Lis- Paris 1454 Km.....mas claro nós é que temos luxos.....

Bremem

  • Mensagens: 426
Se tem ou não tem piscinas não me diz respeito. Só me dizem respeito as obras públicas, feitas com dinheiro público.
57 piscinas públicas, 163 decks ou miradouros em cima do mar com madeira de primeira, 12 marinas, 83 campos de ténis, 37 polidesportivos completos e isto só nas freguesias em que tive intervenção.

E porque falo disto ... porque a maioria não tem uso ou está degradado. Não me refiro aos que estão a ter bom uso.

Ficam de fora, as rotundas, acessos, túneis, pontes, viadutos, zonas pedonais etc ... etc.

E não vou perder tempo com os abusos derivados do principio da continuidade territorial .... porque tinha de começar pelo principio da igualdade entre todos os Portugueses e o Principio da proporcionalidade entre regiões.

CS-TTK

  • Moderador
  • Mensagens: 1404
"Se tem ou não tem piscinas não me diz respeito". Foi você quem fez em primeiro lugar a afirmação.
Na madeira nem tudo é perfeito, mas ao menos você vê obras com o dinheiro público. Em muitos outros lugares do nosso país houve dinheiro e não se vê obra...
Comece então pelo principio da igualdade entre portugueses e o principio da proporcionalidade entre regiões por favor! É isso uma das coisas que é suposto discuitir neste tópico!
É que ainda não percebi o que tem a ver esse seu raciocínio com o subsidio de mobilidade...

lockheed

  • Mensagens: 1220
  • You are not in Kansas anymore!...
CS-TTK, vivo na Margem Sul e quem me dera ver essas obras públicas todas...

Bremem

  • Mensagens: 426
"Se tem ou não tem piscinas não me diz respeito". Foi você quem fez em primeiro lugar a afirmação.
Na madeira nem tudo é perfeito, mas ao menos você vê obras com o dinheiro público. Em muitos outros lugares do nosso país houve dinheiro e não se vê obra...
Comece então pelo principio da igualdade entre portugueses e o principio da proporcionalidade entre regiões por favor! É isso uma das coisas que é suposto discuitir neste tópico!
É que ainda não percebi o que tem a ver esse seu raciocínio com o subsidio de mobilidade...

Não, não fui eu. Quando falei em piscinas é evidente que falo das públicas. Quero lá saber das piscinas privadas.

O subsidio de mobilidade tal como é praticado é o expoente máximo da má gestão dos dinheiros públicos. Nunca vi um peru querer antecipar o Natal. Por isso também não espero ver um beneficiário do subsidio achar que ele é mau.

nunopinheiro

  • Mensagens: 4064
Como já muitos referiam, o subsidio "apenas" faz inflacionar os preços, isto é pouco impacto tem na procura absoluta mas sim tem impacto no que as companhias podem cobrar por bilhete sem reduzir a ocupação...

Por def. sou sempre contra rendas a privados, (aqui sou muito liberalista), se quiserem voos a custo controlado que seja a TAP 100% publica e financiada pelo OE a fazer isso, agora este modelos de financiamento de privados e rendas e portagens virtuais etc levaram Portugal a um belo buraco.

Bremem

  • Mensagens: 426
CS-TTK, vivo na Margem Sul e quem me dera ver essas obras públicas todas...

Ora aqui está quem pode falar. Tomara as autarquias da margem sul de Lisboa ou Porto zona poderem ter apoios como têm os municípios da Madeira. Então aqui já não se aplicam os princípios ??

CS-TTK

  • Moderador
  • Mensagens: 1404
"Se tem ou não tem piscinas não me diz respeito". Foi você quem fez em primeiro lugar a afirmação.
Na madeira nem tudo é perfeito, mas ao menos você vê obras com o dinheiro público. Em muitos outros lugares do nosso país houve dinheiro e não se vê obra...
Comece então pelo principio da igualdade entre portugueses e o principio da proporcionalidade entre regiões por favor! É isso uma das coisas que é suposto discuitir neste tópico!
É que ainda não percebi o que tem a ver esse seu raciocínio com o subsidio de mobilidade...

Não, não fui eu. Quando falei em piscinas é evidente que falo das públicas. Quero lá saber das piscinas privadas.

O subsidio de mobilidade tal como é praticado é o expoente máximo da má gestão dos dinheiros públicos. Nunca vi um peru querer antecipar o Natal. Por isso também não espero ver um beneficiário do subsidio achar que ele é mau.

Bremen você só lê a parte que lhe interessa. Eu já aqui escrevi que concordo que existem casos em que o subsidio é pago sem necessidade. O que continuo sem saber é a sua opinião relativa a questões tais como:
Então em que circustâncias deve ser atribuido o subsidio? Quem deveria estar elegível para receber subsidio? Com tecto máximo ou sem? O modelo antigo do subsídio era melhor que o actual? Os madeirenses e açoreanos devem limitar-se à "lei do mercado" e pagar de acordo com o mercado sem qualquer subsídio? 

nunopinheiro na pratica se bem entendi o que quis dizer foi "se o objetivo é preço controlado, a linha não pode ser liberalizada e temos obrigações de serviço público por uma companhia publica" caso contrário vigoram as leis do mercado.  Apesar de isso também acarretar outros problemas, concordo com esta filosofia :)

Edit: eu já vivi algum tempo em setubal. De lisboa a setubal sempre tive várias opçoes de escolha: autocarro, comboio ou barco combinado com um dos meios anteriormente referidos. Em menos de uma hora faço o trajecto e um passe mensal custa 150€ por 50km. Na madeira, devido à orografia da ilha, transporte publico só autocarro. Para quem trabalha no funchal e mora em machico (30km), por exemplo,  paga 170€ mensais de passe. Está a comparar uma deslocação diária e rotineira, com uma deslocação esporádica (ligação aérea). Aqui na madeira também não se subsidia as pessoas para apanhar transporte para o trabalho...
« Última modificação: 19 de Setembro 2016, 11:12:28 por CS-TTK »


Resposta rápida

Com a resposta rápida pode escrever uma mensagem quando está a ver um tópico sem carregar uma nova página. Pode, ainda, usar o código BBC e os risonhos como usaria numa mensagem normal.

Nota: esta mensagem não irá aparecer até ter sido aprovada por um moderador.
Nome: Email:
Verificação:

 

Tópicos Relacionados

  Assunto / Iniciado por Respostas Última mensagem
6 Respostas
3384 Visualizações
Última mensagem 02 de Novembro 2017, 11:56:46
por ClearedForTakeOff
1 Respostas
1119 Visualizações
Última mensagem 08 de Março 2014, 18:43:39
por gmoreira
20 Respostas
4258 Visualizações
Última mensagem 27 de Setembro 2018, 22:21:06
por Hawks
0 Respostas
717 Visualizações
Última mensagem 04 de Março 2015, 13:06:13
por Mariovieira
181 Respostas
22402 Visualizações
Última mensagem 05 de Agosto 2017, 17:45:11
por Rafael6

Total 112+-1=111 ms, db 0 ms, php 111 ms