Tomás Ribeiro

  • Mensagens: 1378
E os embraer também têm o mesmo tipo de contrato?

toto1100

  • Mensagens: 3398
Nao. Nos embraer o valor de mercado era pelo menos igual, por isso a Azul nao tem que pagar nada.

heartness

  • Mensagens: 74
E os embraer também têm o mesmo tipo de contrato?

Exactamente a mesma coisa. A Azul está a ganhar dinheiro dos dois lados. White e PGA

toto1100

  • Mensagens: 3398
Gostava de saber como é que a Azul esta a ganhar dinheiro se esta a pagar por avioes que é a TAP que voa.
So "esta a ganhar" na medida em que arranjou onde avioes que nao quer fossem colocados e assim nao tem tanta despesa com eles. Mas se nao fosse na TAP era noutra qualquer.

E nao, nao é exatamente a mesma coisa. Nos Embraer a Azul nao tem que pagar nada.
« Última modificação: 05 de Setembro 2018, 11:56:57 por toto1100 »


nunopinheiro

  • Mensagens: 3761
so ganha dinheiro porque não tem a despesa toda, sobre se o negocio é vantajoso, depende muito do que não sabemos aka quanto é que no mercado se pagaria pelo mesmo serviço. Eu que sou critico do modelo de gestão da TAP actual, acho que o negocio dos ATR's e E's é mutuamente benéfico para a Azul e TAP por um lado a TAP precisava dos E's  (os ATR nem tanto), ja a azul precisava de diminuir a sua despesa, win win ficando só a duvida se a TAP estará a pagar preços de mercado pela coisa (que julgo que sim) assim nada a apontar.

toto1100

  • Mensagens: 3398
Isso na minha terra é "gastar menos dinheiro", nao "ganhar dinheiro".
Duvido que um lessor se metesse a permitir o lease á TAP de outra forma que nao fosse a precos de mercados. É que nao lhes devia dar muito jeito virem eventualmente a serem acusados de serem cumplices num crime - e a Azul sendo listada em NY as coisas piam mais fino; é alias por causa disso que sabemos que os ATR foram alugados á TAP a precos menores do que a Azul pagava; fez parte da documentacao que enviaram para a SEC.
« Última modificação: 05 de Setembro 2018, 12:16:47 por toto1100 »


heartness

  • Mensagens: 74
Isso na minha terra é "gastar menos dinheiro", nao "ganhar dinheiro".
Duvido que um lessor se metesse a permitir o lease á TAP de outra forma que nao fosse a precos de mercados. É que nao lhes devia dar muito jeito virem eventualmente a serem acusados de serem cumplices num crime - e a Azul sendo listada em NY as coisas piam mais fino; é alias por causa disso que sabemos que os ATR foram alugados á TAP a precos menores do que a Azul pagava; fez parte da documentacao que enviaram para a SEC.


Volto a dizer, a Azul paga ao lessor e depois a White e a PGA pagam à Azul um leasing que é superior ao leasing que a Azul paga. É assim que a Azul ganha dinheiro

toto1100

  • Mensagens: 3398
Tens nocao que estas a dizer que os gestores da Azul cometeram um crime federal nos EUA, certo?
Especificamente este crime: https://www.law.cornell.edu/uscode/text/18/1001

heartness

  • Mensagens: 74
Por acaso estás nos EUA??

toto1100

  • Mensagens: 3398
Onde eu estou ou deixo de estar é irrelevante. Mas a Azul quer la estar na bolsa, por isso se calhar nao convinha mentir na documentacao que fornece ao governo americano.
É que falhar a entrada em bolsa é uma coisa. Dar com os costados na prisao é outra.

nunopinheiro

  • Mensagens: 3761
toto obviamente de forma comparativa aka situação A gastava 2x situação B gastava x aka um lucro comparativo de x continua a perder dinheiro mas menos. em economoês não se aplica a máxima de perdido por 100 perdido por 1000

FFPCRUZ

  • Mensagens: 8
Esta conversa sobre preços de mercado ou não é tida com alguma recorrência aqui no fórum.

Os preços praticados pelo aluguer dos equipamentos da Azul à TAP têm de obrigatoriamente ser realizados aos preços de mercado. De outra forma haveria violação à legislação sobre preços de transferência e poderiam responder criminalmente por delito fiscal.

Suponhamos que a Azul sub facturava os equipamentos à TAP. A Azul teria menos proveito diminuindo assim o seu lucro tributável enquanto a TAP teria menos custo aumentando assim o seu lucro tributável. Esta situação faria todo o sentido se os impostos fossem mais baixos em PT que em BR (não sei se são ou não) e estaria obviamente a beneficiar o accionaista em prejuízo do estado brasileiro. Ora esta situação configura crime fiscal pois os estado brasileiro estaria a ser lesado. 

Como se vê, os preços terão de ser os de mercado e não outros. E as autoridades fiscais costumam andar muito em cima destas situações.

New Engine Option

  • Mensagens: 2132
E são a preços de mercado. Isso foi duramente criticado na época em que os mesmos aviões foram contratados.

CS-TMT

  • Mensagens: 1895
    • Facebook
Eu pouco percebo da coisa e por isso posso estar a correr o risco de dizer um grande disparate, mas... Como não nasci ensinado, agradeço que me corrijam à vontade ;) no entanto... Não sei se seria de todo viável substituir os ATR por A220-100. Não estou a ver uma rota como OVD, ALC/VLC, SVQ, AGP e semelhantes a serem rentáveis com avião tão grande e tão mais gastador (em distâncias curtas onde a diferença de tempo entre turbo-hélice e jacto é muito reduzida, será mais proveitoso enviar um turbo-hélice, pela grande diferença de consumo, além das possíveis taxas mais elevadas de operação por ser um avião maior e mais pesado. Já a substituição dos E190/95 por A220, apesar de esteticamente gostar mais do Embraer, gostava de os ver pelas costas e ver a TAP a ter uma frota acessível a todos (os porões do E190/95 não permitem o transporte de cadeiras de rodas com motor, por exemplo). Mas não me parece que a TAP esteja com planos de substituir os E190 por A220 num futuro próximo, uma vez que anda a namoriscar o E190-E2.
Em relação à ponte aérea, será outro caso e apesar da distância reduzida e realizável com ATR, se calhar a procura justificaria um avião maior a jacto.
Mais uma vez, posso estar a dizer um grande disparate porque não conheço todos os factores envolvidos, mas antes da Iberia concentrar a sua operação em Madrid já havia ponte aérea entre MAD e BCN, curiosamente sempre com aviões a jacto. Não com frequências de 30 minutos mas de 45, por isso o facto de se abrirem ou reabrirem rotas no Porto não significa que a ponte aérea deixe de ser (tão) necessária eventualmente. Como acontece com MUC e FRA na Alemanha. Já na França a coisa processa-se de maneira diferente, pois julgo que o grosso da operação (sobretudo de longo curso) concentra-se em Paris e não está dividida entre Paris e Lyon.
REG/CSTMT SEL/LRDQ OPR/LXR

JetPhotos
PlanePictures
Flickr

Tomás Ribeiro

  • Mensagens: 1378
Eu pessoalmente prefiro 1000× o A220 mas isto são só gostos e não interessam grande coisa.  :P
Mas lá está isto depende muito da azul até porque nem sei quando é que o contrato com a mesma acaba.
Quanto a essas rotas referidas em que o atr opera realmente é o avião que faz mais sentido. Se bem que não sei até que ponto é que algumas dessas rotas não são, como é que hei de dizer, dispensáveis... Na ponte aérea como já foi dito há horários em que um avião maior não fazia mal a ninguém e um A220 faria sentido.
Alguém me pode esclarecer se souber a duração do contrato com a azul por favor?

Resposta rápida

Com a resposta rápida pode escrever uma mensagem quando está a ver um tópico sem carregar uma nova página. Pode, ainda, usar o código BBC e os risonhos como usaria numa mensagem normal.

Nota: esta mensagem não irá aparecer até ter sido aprovada por um moderador.
Nome: Email:
Verificação:

 
Total 74+0=74 ms, db 0 ms, php 74 ms