CS-TUK

  • Mensagens: 163
...Não sei se está a acontecer, Tomás... E se estiver é entre os mais velhos e mais experientes! Mas, como lhe digo: Aguardemos aí mais uns 5 aninhos, se calhar nem tanto, e logo veremos. O meu palpite é que as companhias Europeias se quiserem ter pilotos terão que os formar elas próprias (e pôr as respectivas cláusulas de exclusividade de serviço durante uns anos...) e terão que lhes pagar meeeeeeeeesmo muito bem!... É que para quem já tem a formação paga os Orientais vão ser mais que uma tentação!... Tenha uma boa noite!... :)

Rex

  • Mensagens: 826
China e India "explodem", por sinal os países mais populosos do mundo, mas partem do princípio que também não explode a formação de pilotos nesses países, porquê?  :)

Sobre a TAP, poderia ser um programa interessante para novos pilotos com relativamente pouca experiência aonde fatia importante da sua formação se dá na empresa ganhando menos nos primeiros anos e estando sujeito a esquemas que protegam o investimento da sua formação, tudo normal menos ....o pormaior que não bate certo, que é a da experiência exigida.

Provavelmente não vai correr bem. Estarão a tentar atrair algum mercado em específico, com aviação desenvolvida mas situação económica-social instável? Brasil, Argentina? (nao faço ideia...)

PS: sugiro mover estas mensagens para o tópico TAP recrutamento

toto1100

  • Mensagens: 2985
Ha imensa coisa que nao bate certo. Desde a desculpa de ser pra igualar à PGA, quando parece que nao ha interesse em igualar mais nada, até ja haver lugar a indemnização atualmente em saidas nos primeiros 3 anos, por isso ja se faz algo do genero simplesmemte sem custos para o trabalhador, passando por dizer que precisam de centenas de pilotos e acharem que é piorando as condições que os vao atrair.

aviationlover

  • Mensagens: 665
Caramba eu fico assustado com tanta coisa má com o processo de seleção e entrada na TAP. Não é que tenha ouvido falar muito bem dos processos de entrada na Ryanair e da easyJet mas para um gajo como eu que quer ser piloto isto é quase desmotivador (e assustador).
Por acaso não tinha muito essa noção de que havia muita gente a voltar das arábias e da China... Porque é que isso está a acontecer?

Das arábias não acredito, com as condições que lhes dão e progressão a Comandante bastante rápida, da China não conheço a realidade nem sabia que havia estrangeiros a voar na China, ouvi falar de uns Brasileiros para a China mas foi só o que ouvi dizer.

aviationlover

  • Mensagens: 665
não é a cabeça que pagam parece-me que vai ser mais uma divida que se vai pagando descontado em cada salário, se quiserem sair tem de pagar o remanescente.

seja como for é mais uma daquelas coisas que era vergonhosa quando eram outras companhias a fazer e que agora vai passar a ser boa gestão.

Pessoalmente não gosto deste tipo de clausulas e deviam ser proibidas uma vez que ao extremo podem configurar situações de escravatura moderna.

Não é à cabeça mas mesmo assim perder cerca de 850 € para pagar a dívida no ordenado não é pêra doce, mais os IRS'S e afins, não sei qual o ordenado de um oficial piloto de inicio na TAP, imagino que não seja muito e depois com o rombo que estão a propôr não sei não, tenho a sensação que vai correr mal.

nunopinheiro

  • Mensagens: 3529
Imaginando que pediram empréstimo para pagar a formação, e que pagam por este um valor semelhante ao que a TAP vai retirar para um total de 1700 € mensais a retirar ao salário mais uns 8000€ para IRS para um salário de 3000 € temos que
(((3000-850)*14)-(850*12)-8000)/12=990€ /media ou 850 € disponíveis ao fim de cada mês.

Não é la grande coisa e é uma vida bem difícil

toto1100

  • Mensagens: 2985
Caramba eu fico assustado com tanta coisa má com o processo de seleção e entrada na TAP. Não é que tenha ouvido falar muito bem dos processos de entrada na Ryanair e da easyJet mas para um gajo como eu que quer ser piloto isto é quase desmotivador (e assustador).
Por acaso não tinha muito essa noção de que havia muita gente a voltar das arábias e da China... Porque é que isso está a acontecer?

Das arábias não acredito, com as condições que lhes dão e progressão a Comandante bastante rápida, da China não conheço a realidade nem sabia que havia estrangeiros a voar na China, ouvi falar de uns Brasileiros para a China mas foi só o que ouvi dizer.

A falta de pilotos na Emirates supostamente é em grande parte devido a gente que tem saido de la para ir voar para a China.
P.e.: https://www.ainonline.com/aviation-news/air-transport/2018-07-15/emirates-denies-being-hit-pilot-shortage
Os comandantes da Emirates parecem que tambem nao acham muita piada a terem que viver no Dubai; na China deixam-nos viver no estrangeiro e irem á China so para voarem.
« Última modificação: 12 de Setembro 2018, 10:25:30 por toto1100 »


aviationlover

  • Mensagens: 665
Ou para a Qatar, ouvi dizer que as condições na Qatar são ainda melhor que na Emirates, se isto corresponde à realidade não sei, foi o que me disseram.

aviationlover

  • Mensagens: 665
Bem irem à China só para voarem, isso é um pouco puxado, isso é mesmo assim? se vivem no estrangeiro não pode ser muito longe, não estou  a ver viverem na Europa por exemplo, fazem 12 ou mais horas para irem voar outras tantas e depois regressarem a casa outras tantas horas? no minimo desgastante.

toto1100

  • Mensagens: 2985
É completamente habitual (principalmente em comandantes) que voam em companhias estrangeiras so para ganhar (muito) dinheiro.
Eu tenho um primo (afastado) que voava na Air Macau e so punha os pes em Macau para entrar ao servico. Mal acabava o servico, se o fazia em Macau, apanha o ferry para Hong Kong e ala para Portugal. Agora so faz charters quando lhe apetece (tem contratos de "zero horas" com varias companhias e aceita quando esta para isso; tambem é comportamento habitual para quem esta semi-reformado).
Nos EUA tambem é bastante comum os pilotos estarem baseados na outra ponta do pais (sim, sao muito menos horas). Por exemplo o Sully do "milagre no Hudson" vivia na California e trabalhava no hub da US Airways em Charlotte (4-5 horas de voo).

Mas os pilotos quando estao ao servico nao costuma ser so uma ida e volta. Sao varios dias a voar e depois tem varios dias de descanso. Nos descansos intermedios para cumprir os minimos nao se vai a casa, a nao ser que calha voar para perto de casa. Dando o exemplo do Sully, se bem me lembro do livro, acho que ele voava 4 dias e depois estava 4 dias de descanso.
« Última modificação: 12 de Setembro 2018, 12:07:13 por toto1100 »


CS-TUK

  • Mensagens: 163
Caros: A "fome" de pilotos na China e na Índia é tanta que levam tudo! Não querendo continuar com o off-topic, mas quando o ano passado a Ryanair se queixou de ter perdido 150 pilotos para a Norweigian, "esqueceu-se" de que foram cerca de 600 os que saíram, causando o buraco que deu origem aos problemas dos cancelamentos e supressão de férias dos restantes e etc. Ora: onde estão os restantes 450 que não foram para a low cost nórdica??? Acho que não é muito difícil entender!... Aguardemos mais algum tempo.

Sim, Chinós e Índiós terão de apostar na formação, sem dúvida... Mas, por hora e para os próximos 5 ou 10 anos sai-lhes melhor, mais barato e mais rápido "comer" o que há disponível no mercado... A Europa que não se cuide! Os Americanos estão apesar de tudo mais protegidos, quer pelas realidades sindicais da classe lá, quer por motivos culturais em que dificilmente um Americano gosta de viver fora... Países emergentes têm poucos pilotos... Sobrará para a Europa!!!...

New Engine Option

  • Mensagens: 1817
O que eu sei é que os que saíram da TAP para esse lado do mundo foram aliciados por dinheiro e com promessa rápida de subirem a comando e muitos ou não se adaptaram, ou foram ludibriados. E é precisamente para evitar essa sangria que aconteceu no passado que a cláusula está agora em vigor. Quem quer realmente pertencer à TAP, compromete-se por um tempo a investir também do seu pela formação que esta lhe dá, ficando nos seus quadros algum tempo.

E houve vários a pedirem para reentrar na TAP, só que a perspectiva de entrarem como o último co-piloto da lista (como nem poderia deixar de ser, obviamente) não lhes agradou. Depois de a asneira feita, não é pela porta grande que entram, nem mesmo que a TAP precise muito deles.

O mesmo acontece a outra escala com os futuros comissários da Ryanair que pagam todo o seu processo de formação (não apenas uma parte), e depois de entrarem a companhia retira-lhes mensalmente o valor estipulado.
« Última modificação: 12 de Setembro 2018, 11:12:29 por New Engine Option »


toto1100

  • Mensagens: 2985
Caros: A "fome" de pilotos na China e na Índia é tanta que levam tudo! Não querendo continuar com o off-topic, mas quando o ano passado a Ryanair se queixou de ter perdido 150 pilotos para a Norweigian, "esqueceu-se" de que foram cerca de 600 os que saíram, causando o buraco que deu origem aos problemas dos cancelamentos e supressão de férias dos restantes e etc. Ora: onde estão os restantes 450 que não foram para a low cost nórdica??? Acho que não é muito difícil entender!... Aguardemos mais algum tempo.

Sim, Chinós e Índiós terão de apostar na formação, sem dúvida... Mas, por hora e para os próximos 5 ou 10 anos sai-lhes melhor, mais barato e mais rápido "comer" o que há disponível no mercado... A Europa que não se cuide! Os Americanos estão apesar de tudo mais protegidos, quer pelas realidades sindicais da classe lá, quer por motivos culturais em que dificilmente um Americano gosta de viver fora... Países emergentes têm poucos pilotos... Sobrará para a Europa!!!...

O problema para os americanos passa muito mais pela fiscalidade de la do que por pretensas diferencas culturais. É que os cidadaos americanos sao obrigados a pagar impostos nos EUA mesmo que nunca ponham la os pés. E ha acordos com alguns paises que fazem baixar os impostos, mas normalmente so uma pequena parte do salario ($50-$100k, dependendo do pais) fica isento, o que para um comandante faz com que a maioria do salario esteja na mesma sujeito a impostos nos EUA.

Por isso so compensa essencialmente para pilotos em inicio de carreira, que ganhariam $30-$50k nos EUA e vao para o estrangeiro ganhar muito mais. Se fores um comandante a ganhar $150k para cima, ja tem que te pagar mesmo muito bem no estrangeiro para compensar em termos financeiros, quanto mais em termos de qualidade de vida e afins (um comandante de longo curso nos EUA nao precisa de muito para ganhar o dobro disso, e ha muitos a chegar ao meio milhao).

(Isto aplica-se para todos os cidados americanos qualificados em geral; o aperto fiscal é tal que muitos ate abdicam da cidadania americana quando emigram e nao pretendem voltar - por se terem casado com um(a) estrangeiro(a), p.e.; tambem sao habituais as historias de americanos que viveram decadas no estrangeiro e depois quando voltam aos EUA e apresentam declaracao de impostos pela 1a vez recebem uma cartinha a pedir centenas de milhares de dolares dos impostos devidos durante essas decadas em que nao declararam impostos.)
« Última modificação: 12 de Setembro 2018, 11:30:46 por toto1100 »


CS-TJF

  • Mensagens: 196
    • cs-tjf
O que eu sei é que os que saíram da TAP para esse lado do mundo foram aliciados por dinheiro e com promessa rápida de subirem a comando e muitos ou não se adaptaram, ou foram ludibriados. E é precisamente para evitar essa sangria que aconteceu no passado que a cláusula está agora em vigor. Quem quer realmente pertencer à TAP, compromete-se por um tempo a investir também do seu pela formação que esta lhe dá, ficando nos seus quadros algum tempo.

E houve vários a pedirem para reentrar na TAP, só que a perspectiva de entrarem como o último co-piloto da lista (como nem poderia deixar de ser, obviamente) não lhes agradou. Depois de a asneira feita, não é pela porta grande que entram, nem mesmo que a TAP precise muito deles.

O mesmo acontece a outra escala com os futuros comissários da Ryanair que pagam todo o seu processo de formação (não apenas uma parte), e depois de entrarem a companhia retira-lhes mensalmente o valor estipulado.

As leis mudaram....

Ryanair- Reasons to join our Cabin Crew Team!

Free Training
Allowance paid during training
Free uniform in year 1 - Uniform allowance in year 2
€750 new joiners allowance
Competitive basic salary
Productivity bonus
Flight duty pay/sales bonus
Productivity bonus
Year 1 on target earnings of €20-€25k
Fantastic promotional opportunities
Great choice of bases.
Stable 5 on 3 off roster
Staff travel
Security of working for a financially stable airline.
Permanent contract

aviationlover

  • Mensagens: 665
Por isso é que digo na TAP vai correr mal, New Engine Option, de certeza que o salário de um co-piloto que acaba de entrar na TAP não é nada por aí além, penso eu não sei, ficar logo sem 850€ no ordenado mais o IRS e afins, acho que o Nuno Pinheiro já fez umas contas, depois mais o IRS, não sei não.

Resposta rápida

Com a resposta rápida pode escrever uma mensagem quando está a ver um tópico sem carregar uma nova página. Pode, ainda, usar o código BBC e os risonhos como usaria numa mensagem normal.

Nota: esta mensagem não irá aparecer até ter sido aprovada por um moderador.
Nome: Email:
Verificação:

 
Total 161+0=161 ms, db 0 ms, php 161 ms