eascensao

  • Mensagens: 255
A Aplicação Intergraph que é a que é utilizada no 112, está ligada aos Comandos Distritais e Comando Nacional de Operações de socorro.. basta carregar na entidade a envolver, neste caso ANPC, (seja distrital ou nacional) e o pedido de socorro vai parar ao Comando Distrital indicado pela aplicação, por via informatica e no SADO (Sistema de Apoio à Decisão Operacional)

O cerne da/na questão é esse ... "basta carregar na entidade a envolver" ...

Byte Boador

  • Mensagens: 185
“Success is not final, failure is not fatal.
It is the courage to continue that counts“

Winston Churchill

Rex

  • Mensagens: 949
Está aí já algo que não bate bem em relação aquele comunicado da NAV que referiu perda sinal radar às 18:55 e aí nesse relatório tem a colisão com a torre às 18:40 segundo dados radar.

lynx95

  • Mensagens: 256
Claro! Factores Humanos, é uma formação obrigatória para quem trabalha na aviação. Orienta as pessoas para cenarios onde possam ocorrer erros. Por exemplo, o cansaço, a pressão, o trabalhar de memória, o pensar que o trabalho está feito e o mesmo ficar incompleto, a falta de aderencia aos procedimentos actuais, falta de ferramentas, de luz, tudo isso pode afectar a performance humana. Se a tripulação não ajustou o QNH, isso foi concerteza por esquecimento. Isto porque, e assumindo que o voo era a 1500ft, se o helicoptero tivesse a essa altitude tinha passado por cima das antenas, seguramente.

Boas,

sem duvida que os factores humanos são extremamente importantes. A experiência do trabalho é um factor que influencia em muito a rapidez de execução do mesmo. É no entanto inimiga no sentido que se começam a fazer as tarefas quase de cor, lendo as cartas de trabalho por alto e quando se repara, estamos com um incidente grave ou pior, um acidente.
Tenho alguns situações que presenciei e uma da qual fui responsável, felizmente sem qualquer consequência !!
Nunca esquecendo que o Murphy não dorme !!!

joaosantos

  • Mensagens: 57
Caros amigos.

No meio desta questão toda, há um pormenor que me levanta muitas duvidas.

Não existe, a nível nacional, um procedimento claramente definido para as situações de desaparecimento de aeronaves? Quando falham os contactos, não há um tempo definido, um número tentativas de contacto até que seja declarada a emergência? E quando esta é declarada, qual é o procedimento? A quem se liga? À ANPC, à força aérea, aos bombeiros locais? A quem cabe comandar estas operações?

Se estas questões não estiverem claramente definidas, nunca vai ser possível verificar quem falhou. E, embora pelo relatório preliminar desta caso em concreto, seja previsível que os tripulantes teriam poucas hipóteses de sobrevivência devido às forças do impacto, o que aconteceria se o impacto fosse menor e os tripulantes tivessem sobrevivido? A diferença de tempo no socorro seria a diferença entre serem encontrados feridos, mas vivos ou ir depois recolher os cadáveres.

É esta questão que mais me assusta em toda esta situação. O socorro parece-me ter sido demasiado demorado, parecem ter falhado demasiadas coisas e, em acidentes menos graves e em que a tripulação possa sobreviver ao momento do impacto, isto pode fazer toda a diferença.

Qual é a vossa opinião?

Byte Boador

  • Mensagens: 185
Há um tópico criado recentemente pelo Eduardo Ascensão onde explica pormenorizadamente todos os passos a serem seguidos quando se lida com uma emergência.

https://aviacao.pt/index.php?topic=4989.0
« Última modificação: 20 de Dezembro 2018, 11:31:31 por Byte Boador »

“Success is not final, failure is not fatal.
It is the courage to continue that counts“

Winston Churchill

Wolf0

  • Mensagens: 17
Sem querer abrir nenhum tipo de polémica sobre um assunto demasiado sério e doloroso para todos gostaria apenas de fazer um comentário que raramente tenho visto ser referido:

Porque é que só se discute o suposto atraso na resposta ao acidente, quando a verdadeira pergunta deveria ser porque é que em 2018 um helicóptero profissional voava tão baixo a ponto de arriscar a colisão com objectos no terreno?

Essa é a verdadeira questão que devia estar em cima da mesa. Espero que o GPIAAF se foque nesse tópico. A questão da rapidez do socorro é pertinente mas muito específica deste caso em particular. O que interessa realmente é entender se este voo baixo foi devido a anomalias mecânicas (no solo ou em voo), se foi devido a tectos baixos (e nesse caso se a missão deveria ter de facto ocorrido - note-se que no relatório preliminar a tripulação aguarda melhoria de condições para sair de Massarelos e coloca a possibilidade de regressar IMC a LPPR). Será que a tripulação arriscou? Se sim, porquê? Espírito de missão? Pressões externas para completar as missões rapidamente e com sucesso? Se sim, é possível voltar a acontecer noutras missões do mesmo serviço?

Byte Boador

  • Mensagens: 185
No relatório preliminar do GPIAA, se ler a parte final do mesmo, vem referido em quê que a investigação se vai basear e todas as questões que levanta, estão lá como objectivos da investigação (se é que lhe posso chamar isso)
“Success is not final, failure is not fatal.
It is the courage to continue that counts“

Winston Churchill

eascensao

  • Mensagens: 255
Caros amigos.

No meio desta questão toda, há um pormenor que me levanta muitas duvidas.

Não existe, a nível nacional, um procedimento claramente definido para as situações de desaparecimento de aeronaves? Quando falham os contactos, não há um tempo definido, um número tentativas de contacto até que seja declarada a emergência? E quando esta é declarada, qual é o procedimento? A quem se liga? À ANPC, à força aérea, aos bombeiros locais? A quem cabe comandar estas operações?

Se estas questões não estiverem claramente definidas, nunca vai ser possível verificar quem falhou. E, embora pelo relatório preliminar desta caso em concreto, seja previsível que os tripulantes teriam poucas hipóteses de sobrevivência devido às forças do impacto, o que aconteceria se o impacto fosse menor e os tripulantes tivessem sobrevivido? A diferença de tempo no socorro seria a diferença entre serem encontrados feridos, mas vivos ou ir depois recolher os cadáveres.

É esta questão que mais me assusta em toda esta situação. O socorro parece-me ter sido demasiado demorado, parecem ter falhado demasiadas coisas e, em acidentes menos graves e em que a tripulação possa sobreviver ao momento do impacto, isto pode fazer toda a diferença.

Qual é a vossa opinião?

Curiosamente, ou talvez não, existem :
 - procedimentos internacionais que definem o que deve despoletar cada fase de Alerta e entidades nacionais responsáveis pela coordenação dos esforços envolvidos nessas fases, e,
 - um procedimento ou uma Directiva Operacional Nacional da Autoridade Nacional de Protecção Civil sobre o assunto.

joaosantos

  • Mensagens: 57
Caro eascensao,

Como não sou especialista na matéria, efetivamente não conheço os procedimentos, daí ter colocado a questão. Se efetivamente eles são claros, então será fácil definir quem falhou e se falhou. Essa é a minha grande dúvida.

Relativamente ao Wolf0, concordo consigo. É importante definir essas questões mais técnicas do voo, para aprender com algum erro que possa ter existido e evitar a sua repetição. Mas uma coisa não invalida a outra. Ambas são absolutamente importantes.

Agora gostaria que ficasse claro que as minhas questões não são para levantar nenhuma polémica, de modo algum, mas apenas para que possamos conhecer melhor os pormenores destas situações e perceber o que falhou para esta tragédia ter acontecido.

Resposta rápida

Com a resposta rápida pode escrever uma mensagem quando está a ver um tópico sem carregar uma nova página. Pode, ainda, usar o código BBC e os risonhos como usaria numa mensagem normal.

Aviso: este tópico não tem nenhuma mensagem nova há, pelo menos, 90 dias.
A não ser que tenha a certeza que quer responder, por favor, considere a hipótese de criar um novo tópico.

Nota: esta mensagem não irá aparecer até ter sido aprovada por um moderador.
Nome: Email:
Verificação:

 

Tópicos Relacionados

  Assunto / Iniciado por Respostas Última mensagem
2 Respostas
521 Visualizações
Última mensagem 14 de Junho 2015, 23:50:49
por lynx95
2 Respostas
864 Visualizações
Última mensagem 23 de Novembro 2015, 23:12:31
por iSeven
0 Respostas
416 Visualizações
Última mensagem 18 de Agosto 2016, 00:28:56
por LapaG
11 Respostas
1498 Visualizações
Última mensagem 21 de Outubro 2016, 23:15:17
por Spak
31 Respostas
3169 Visualizações
Última mensagem 24 de Junho 2017, 15:30:47
por fredericolopes

Total 65+0=65 ms, db 0 ms, php 65 ms